skipToMain
Siga-nos:

Nem a falta de tapete verde retira ao São Cristóvão a ambição de subir

Tiago Mendes Dias
Futebol \ sábado, setembro 11, 2021
© Direitos reservados
Uma das duas equipas de Guimarães com campo pelado, o São Cristóvão alterou meio plantel com o intuito de o preparar para a subida à Divisão de Honra. O treinador também é novo: Maicon Souza.

Inscrito pelo segundo ano consecutivo na Associação de Futebol de Braga (AF Braga), o GD São Cristóvão tem uma particularidade que o distingue de todos os outros emblemas vimaranenses no futebol distrital, à exceção do Santo Estêvão: o seu campo, no Parque de Lazer do Rio Selho, ainda é pelado.

Quando os jogos a sério começarem – o primeiro está marcado para 25 de setembro, no reduto do Fermilense, para a Taça da AF Braga -, a circunstância até pode favorecer o emblema azul e amarelo, mas o relvado sintético é um desejo consecutivamente adiado, face ao litígio entre a Câmara Municipal e o privado que detém o terreno onde rola a bola.

“O problema está muito complicado. Já tivemos várias reuniões na Câmara a insistir e as coisas não estão fáceis”, diz o presidente do clube, Rui Machado. “Pode ser um bom fator ter o pelado, porque jogamos cá e vai ser muito difícil para as outras equipas cá passarem, mas era importante termos o sintético. A qualidade dos nossos jogadores é para sintético”, acrescenta.

A qualidade dos 23 atletas que compõem o plantel, 11 deles reforços, é “para sintético” e para tentar a promoção à Divisão de Honra, confirma o responsável máximo do São Cristóvão. “Foram escolhidos todos a dedo para termos um grande plantel. O objetivo é, sem receio nenhum, lutar pela subida”, especifica.

O emblema da freguesia banhada pelo Selho encara a Série D da 1.ª Divisão da AF Braga com um novo treinador, Maicon Souza, que tenciona atingir os lugares cimeiros no regresso a um clube que conhece, após passagens pela formação do Pevidém e do Taipas. “Quando era jogador profissional, vim morar para Pevidém. Quando fiquei sem contrato com o Felgueiras, vim treinar com o São Cristóvão e ficou uma grande amizade (…). Vamos tentar subir”, frisou.

O técnico de 38 anos reconheceu ainda que o pelado pode ser uma vantagem nos jogos em casa e os sintéticos adversários uma desvantagem nos jogos fora. O avançado Catorze pensa da mesma forma, mas prometeu ainda assim uma equipa a lutar pelos três pontos “seja em que campo for”.

 

"Tenho atletas de muita qualidade"

Rui Machado, presidente do São Cristóvão

“O objetivo é, sem receio nenhum, lutar pela subida. Sei que tenho atletas de muita qualidade. Eles vão-nos ajudar a concretizar esse sonho".

 

"Se conseguirmos encaixar cada peça no seu sítio, vamos chegar lá"

Maicon Souza, treinador do São Cristóvão

“O plantel tem bastantes mudanças, mas também grandes jogadores. Se conseguirmos encaixar cada peça no seu sítio, vamos chegar lá. Com tempo, vamo-nos conhecendo melhor".

 

 

"No ano passado, não perdemos nenhum jogo em casa"

Catorze, avançado do São Cristóvão

“No ano passado, não perdemos nenhum jogo em casa. Para nós, é mais benéfico, porque somos a única equipa a jogar em pelado. Conhecemos o campo, mas o nosso objetivo é conquistar os três pontos seja onde for”.

 

"Estou ansioso pelo dia 25"

Federico, guarda-redes (ex-Pevidém)

“Foram sete anos sem jogar. Estou ansioso pelo dia 25, que é o dia em que irei voltar, se for opção do mister. A mudança a nível profissional impedia-me de jogar ao fim de semana. Agradeço ao São Cristóvão este voto de confiança”.


PLANTEL SÃO CRISTÓVÃO 2021/2022

Guarda-redes: Coelho, André (ex-AD Oliveirense) e Federico (ex-Pevidém);

Defesas: Cirilo, Lino, Renato, Filipe, Fábio Fernandes (ex-Selho), André Machado (ex-Mais Polvoreira), João Faria (ex-UD Polvoreira) e Chico (ex-Navarra);

Médios: Romão, Paulinho, Adriano, Rubinho (ex-Ronfe), Xano (ex-Santiago Mascotelos) e Nelson Vieira (ex-Selho);

Avançados: Catorze, Fábio Preto, Pedrosa, Tiago Santos, Lipinho (ex-Pedralva) e Pedro Henrique (ex-Tabuadelo).

 

EQUIPA TÉCNICA

Treinador: Maicon Souza

Adjuntos: Leandro Oliveira, Pedro Sá e Margarida Freitas